terça-feira, 6 de junho de 2017

Memorial do Amor Inquieto


Reestreia... Teatro Cândido Mendes, de terça a quinta às 20 h.

Memorial de Amor Inquieto
Texto: Charlie Rayné
Direção: Julio Luz... Ver mais — com Beth Monteiro, Thati Losch, Francyne Araujo e Danielle Holanda 

O espetáculo é uma adaptação do livro homônimo do autor Charlie Rayné, onde o diretor escolheu algumas crônicas para conceber o espetáculo, entre ela estão “Julieta e Julieta”, “Os Ponteiros”, “A Dança Pendente” e “Reflexões do Amor Inquieto, todas retrata o universo feminino, onde vivenciam o amor em condições distintas. Toda a encenação é costurada pela música de Edith Piaf, pois em suas canções se destacava por mostrar com muita paixão temas de amor, perdas e sofrimentos, entre elas estão No je ne regrette rien, Milord e La vie em rose, todas sendo executadas pela voz da própria Piaf.

“É sempre bom falar do amor, o amor de todas as formas. Vivemos num mundo imediatista, onde o amor quase não existe. Por isso, resolvi falar do amor”, diz Julio Luz, produtor e diretor.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

PROJETO COMÉDIAS CARIOCAS (Pela Revitalização do Teatro Princesa Isabel)



O “Projeto Comédias Cariocas”, de autoria de DelRio e LTM Realizações, tem como objetivo a revitalização do tradicional Teatro Princesa Isabel, palco de célebres comédias e que se encontra, no momento, sem sessões contínuas e com apresentações esporádicas. Os produtores Luis Teixeira Mendes e Guilherme Oliveira estão revitalizando o Teatro Princesa Isabel que andava muito parado. A dupla está produzindo duas peças: "4 na Kitchenette" com Monique Lafond no elenco às sextas e domingos às 19 h e "Em Nome do Filho", que volta com uma nova roupagem às sextas e sábados às 21 h. Os sócios também pretendem produzir uma peça infantil, colocando o teatro no mercado novamente. Eles estão sem patrocínio e bancando do próprio bolso. O empresário Luis Teixeira Mendes pretende abrir em breve, um Cine Teatro em Copacabana com o mesmo nome da locadora de vídeo do qual era proprietário: a Paradise. 
O projeto conta com dois espetáculos com estreias previstas para 13 de janeiro de 2017, a saber:


4 NA KITCHENETTE – Comédia de Augusto Pessôa que conta com a volta de Monique Lafond. A atriz, ausente há oito anos dos palcos, comemora cinquenta anos de carreira no mesmo teatro que a lançou ainda menina, aos 13 anos na comédia “Pais Abstratos” de Pedro Bloch e direção de João Bethencourt. Ambientada nos anos 80, “4 na Kitchenette” é uma comédia de erros que se passa num apartamento em Copacabana, no melhor estilo vaudeville. O espetáculo também trará de volta as sessões dominicais ao teatro, atualmente restrita a peças infantis.
Direção: Marco Miranda
Sextas e domingos – 19 horas


EM NOME DO FILHO – Comédia dramática com texto de Dolores DelRio que lembra, em seus melhores momentos, o universo do cineasta espanhol Pedro Almodóvar. A peça, que ficou em cartaz de janeiro a novembro em vários teatros da cidade (inclusive no Princesa Isabel, com ótima resposta do público), volta repaginada para cumprir uma nova temporada de verão. Ousado, polêmico e underground, o espetáculo é capaz de agradar a todo tipo de público e não somente à comunidade GLBT, visto que se passa numa sauna gay e decadente de Copacabana.
Direção: Marco Miranda
Sextas e Sábados - 21 horas

PRODUTORES EXECUTIVOS:
 
LUIS TEIXEIRA MENDES



- Formado em Jornalismo pela FACHA.
- De 1992 a 2016 foi proprietário da PARADISE VÍDEO, loja que revolucionou o mercado das locadoras de vídeo. Especializada em filmes clássicos, cults, europeus e nacionais, a loja virou referência na cidade, se tornando a preferida de cinéfilos e artistas. Entre seus ilustres clientes, que alugavam filmes para composição de personagem, destacam-se: Rodrigo Santoro, Bete Mendes, Flávia Alessandra, Francisco Cuoco, Sonia Braga, Malvino Salvador, Xande Valois, Teresa Cristina, Alessandra Maestrini, entre outros. Os cineastas Walter Lima Junior, José Joffily, Paulo Thiago e Silvio Tendler também eram figuras constantes. Em janeiro de 2016 encerrou as atividades após 24 anos de funcionamento na Rua Figueiredo Magalhães, em Copacabana. O fechamento causou comoção no bairro, nas redes sociais e foi matéria de capa no Segundo Caderno do Jornal O Globo, que a intitulou como “Paradise: O Fim de uma Era”. O empresário pretende abrir, em breve, um Cine Teatro em Copacabana com o mesmo nome da locadora.
- De 2005 a 2007 produziu dois espetáculos infantis no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea: “A Fantasia de Pinóquio” e “Adorável Cinderela”, conquistando um público de mais de 50 mil espectadores.
- Trabalha como colunista e entrevistador do Jornal Copacabana.
- Fotógrafo Profissional, possui estúdio em Copacabana. É discípulo do mestre Walter Firmo, considerado um dos maiores fotógrafos de todos os tempos.
- Atualmente produz, junto com Dolores Del Rio, dois espetáculos com estreias previstas para 13 de Janeiro: "Em Nome do Filho" e “4 na Kitchenette”. As peças, dentro do “Projeto Comédias Cariocas”, abrangerão também a revitalização do Teatro Princesa Isabel, em Copacabana, um dos mais tradicionais da cidade.

GUILHERME OLIVEIRA


Ator e professor de teatro formado pela Uni Rio, produtor e ator nas peças As Magnéticas (Teatro Posto 6), Dei a Elza em Você (Teatro Posto 6, CC Dejair Cardoso e Serrador), Continuo Dando a Elza (Posto 6, Serrador e Lonas Culturais da Prefeitura). Atuou também em performances nos espetáculos Divino Masculino, Selvagens da Madrugada e Big Boy Brasil, todos no CC Dejair Cardoso. Participação na Minissérie AEIO... Urca e na novela Lua Cheia de Amor na TV Globo. Direção nas peças Pinóquio – O Musical, Gato de Botas e Rio de Cabo a Rabo (Espetáculos com alunos atores adolescentes). No ano de 2016, escreveu, produziu e atuou no espetáculo, “Em nome do Filho”, que ficou mais de dez meses em cartaz em vários teatros do Rio de Janeiro. Agora está produzindo “Em Nome do Filho”, toda repaginada, e também produzindo e atuando em "04 na Kitchenette", que também vai estrear no dia 13 de janeiro, no teatro Princesa Isabel. 

Teatro Princesa Isabel (Av. Princesa Isabel, 186 – Copacabana)
Tel: 2275- 3346

Assessoria de imprensa: Maria Fernanda Gurgel



"4 NA KITCHENETTE" – UMA DAS PEÇAS QUE FAZ PARTE DA REVITALIZAÇÃO DO TEATRO PRINCESA ISABEL


Estreia dia 13 de janeiro a peça 4 NA KITCHENETTE de Augusto Pessôa,  no teatro Princesa Isabel que conta com a volta de Monique Lafond. A atriz, ausente há oito anos dos palcos, comemora cinquenta anos de carreira no mesmo teatro que a lançou ainda menina, aos 13 anos na comédia “Pais Abstratos” de Pedro Bloch e direção de João Bethencourt.
Ambientada nos anos 80, “4 na Kitchenette” é uma comédia de erros que se passa num apartamento em Copacabana, no melhor estilo vaudeville. O espetáculo está dentro do projeto “Comédias Cariocas”, que faz parte da revitalização do teatro Princesa Isabel, palco de célebres comédias e que se encontra, no momento, sem sessões contínuas e com esporádicas apresentações. O projeto conta com dois espetáculos: a reestreia de "Em nome do Filho", de Dolores DelRio e "4 na Kitchenette".  O mesmo foi desenvolvido pelos produtores culturais Guilherme Oliveira e Luis Teixeira Mendes.  O espetáculo tem a direção de Marco Miranda.



SINOPSE

Aristeu vive com seu jovem amante Rodney numa kitchenette em Copacabana. Ele está de mudança para um apartamento maior e esperando possíveis inquilinos para alugar a kitchenette. Para a mudança ele terá ajuda de Cezinha que é presidente do fã-clube de Elvira Martins uma estrela da época de ouro da Radio Nacional. A confusão começa quando Aristeu briga com Rodney que vai embora jurando voltar e terminar a discussão. Em seguida ele recebe uma possível inquilina. Uma mulher misteriosa. Aristeu reconhece a mulher que é Marisa Madey grande rival de Elvira Martins na época da rádio. Quando as quatro "estrelas" se encontram na kitchenette tudo pode acontecer. Uma comédia divertida que vai agradar a todos os gostos.




ATORES DA PEÇA
Monique Lafond
Guilherme Oliveira
Fernando 
Matheus freire

FICHA TÉCNICA
Autor: Augusto Pessôa
Direção: Marco Miranda
Produção: Dolores DelRio e Luis Teixeira Mendes
Cenário e figurino: Augusto Pessôa 
Fotografia: Luis Teixeira Mendes
Luz: Marco Miranda
Trilha sonora: Marco Miranda e Guilherme Oliveira
Assessora de imprensa: Maria Fernanda Gurgel

SERVIÇO:
4 na Kichenette

TEXTO: Augusto Pessôa
DIREÇÃO: Marco Miranda
PRODUÇÃO: Dolores DelRio e Luis Teixeira Mendes
Estreia: de 13 de Janeiro a 18 de Fevereiro de 2017 
Sextas e domingos, às 19 horas.
LOCAL: Teatro Princesa Isabel.
ENDEREÇO: Av. Princesa Isabel, 186 – Copacabana.
Telefone: (21) 2275-3346
Duração da peça: 80 minutos
Ingresso: R$ 50,00 (inteira), R$ 25,00 (meia).
Capacidade do teatro: 280 lugares 
Classificação: 12 anos.

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Maria Fernanda Gurgel 
Tel: (21) 2549-5372 - cel: (21) 99999-9263
mfgurgel@uol.com.br – mfgurgel.assessoria@gmail.com

UMA REALIZAÇÃO: DELRIO E LTM REALIZAÇÕES ARTÍSTICAS

EM NOME DO FILHO - UMA DAS PEÇAS QUE FAZ PARTE DA REVITALIZAÇÃO DO TEATRO PRINCESA ISABEL


Devido ao grande sucesso, o espetáculo “Em Nome do Filho” de Dolores DelRio, que ficou em cartaz no Rio de Janeiro por dez meses, em vários teatros, vai reestrear em 13 de janeiro de 2017 com uma nova roupagem dentro do projeto “Comédias Cariocas”, que faz parte da revitalização do teatro Princesa Isabel, palco de célebres comédias e que se encontra, no momento, sem sessões contínuas e com esporádicas apresentações. O projeto conta com dois espetáculos com estreias previstas para 13 de janeiro de 2017, em Copacabana, e este é um deles. O mesmo foi desenvolvido pelos produtores culturais Guilherme Oliveira e Luis Teixeira Mendes. O espetáculo tem a direção de Marco Miranda.
"Em Nome do Filho" é uma comédia dramática, um espetáculo underground , ousado, polêmico com toques de comicidade e retrata o dia a dia de uma sauna gay decadente no bairro de Copacabana. A peça, que ficou em cartaz de janeiro a novembro em vários teatros da cidade (inclusive no Princesa Isabel, com ótima resposta do público), volta repaginada para cumprir uma nova temporada de verão. O espetáculo é capaz de agradar a todo tipo de público e não somente à comunidade GLBT. Entre clientes, garotos de programa e funcionários, o destino pode pregar peças e revelar segredos inimagináveis. A montagem lembra, em seus melhores momentos, o universo do cineasta espanhol Almodóvar. O espetáculo apresenta performances sensuais, musicais, e cômicas. 

SINOPSE

"Em Nome do Filho" é uma comédia dramática de autoria de Dolores DelRio. A peça se passa em um dia numa sauna gay, a “Brasil Dourado”, onde é mostrada a realidade de uma sauna. A peça foca por que os meninos de programa foram parar lá. O que cada cliente quer, como se comportam e o que buscam na sauna. Números musicais são apresentados entremeados com shows de dança. Liuba, o dono, teve seu filho afastado de seu convívio
desde criança. Ele tem um romance complicado com Roby, um ex-garoto de programa. Odetinha, empregado da sauna, é seu aliado e o único que sabe de seu passado misterioso. A partir daí, é uma comédia de erros, encontros e desencontros, com um final revelador. Na trama também são apresentados ao público, tipos característicos de gays que frequentam as saunas: o debochado, o poderoso, o prático, o casado e o carente. Eles
interagem nas cenas cômicas com os garotos de programa, belos rapazes da sauna.



SERVIÇO:

“EM NOME DO FILHO”
TEXTO: Dolores DelRio
DIREÇÃO: Marco Miranda
PRODUÇÃO: Dolores DelRio e Maria Fernanda Gurgel
Reestreia: de 13 de Janeiro a 18 de Fevereiro de 2017
Sextas e sábados, às 21 horas.
LOCAL: Teatro Princesa Isabel.
ENDEREÇO: Av. Princesa Isabel, 186 – Copacabana.
Telefone para reservas: (21) 2275-3346
Duração da peça: 80 minutos
Capacidade do teatro: 280 lugares
Classificação: 16 anos.

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Maria Fernanda Gurgel
Tel: (21) 2549-5372 - cel: (21) 99999-9263
mfgurgel@uol.com.br – mfgurgel.assessoria@gmail.com

UMA REALIZAÇÃO: DELRIO E LTM REALIZAÇÕES ARTÍSTICAS

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Ensaio sobre Gatsby


Quem não leu o livro ou não viu o filme “O grande Gatsby" de F. Scott Fitzgerald? No cinema os mais lembrados foram com Robert Redford e Mia Farrow, e em 2013, com Leonardo Di Caprio e Carey Mulligan. 
 O ator, diretor, e autor, Paulo Bond Simões, escreveu um monólogo e vai interpretar oito personagens marcantes do filme no teatro. Sua estreia está marcada para o dia  07 de Outubro, no Centro Cultural Dejair Cardoso. A peça "Ensaio sobre Gatsby", com texto de Paulo Bond Simões, trata-se de um monólogo, pelo ponto de vista do personagem “Nick Carraway", o que aconteceu em alguns dias de sua vida, quando conheceu o misterioso milionário "Jay Gatsby". 
Sendo assim, a peça contará como "Nick" descobre quem o ama e quem não merece seu respeito. Um drama romântico também dirigido e com atuação de Paulo Bond Simões, o texto mostra a visão do autor, em "O grande Gatsby", de F. Scott Fitzgerald. O ator, sozinho em cena, fará oito personagens da história.  É a primeira vez que esses personagens vão para o palco, aqui no Brasil. Toda a estrutura é pelo ponto de vista de Nick. No cinema, fizeram três adaptações, sendo a penúltima com Robert Redford e a última com Leonardo Di Caprio.

Meu interesse sobre o Gatsby também reside no fato de que é uma ótima história pra se analisar os personagens pela ótica da Teoria da Literatura. Protagonista, Antagonista. Personagem plano (com características definidas do início ao fim) e Personagem redondo (com alteração nas características no decorrer da história), diz o autor...

"A peça é a minha primeira a visão do romance O GRANDE GATSBY, de F. Scott Fitzgerald, diz Paulo Bond. O personagem Nick relembra os acontecimentos quando tirou férias, foi para um balneário próximo à Nova Iorque e reencontrou os primos, Tom e Daisy Buchanan, além de ter feito amizade com o vizinho, o misterioso Gatsby, um milionário que escondia inicialmente ser apaixonado pela prima de Nick. Através dele, o milionário irá se reaproximar do antigo amor e desestabilizar a vida de todos. No monólogo, fará os 8 personagens mais importantes: Gatsby, Nick, Tom, Daisy, Jordan, Wilson, Myrtle e o homem não identificado pelo nome.

SINOPSE

O personagem NICK, em 1922, tira férias e aluga uma pequena casa ao lado da enorme mansão de um milionário, GATSBY. Próximos, moram os primos de NICK, TOM e DAISY. Esta o apresenta sua melhor amiga, JORDAN, uma famosa campeã de golfe. NICK descobre que o primo tem uma amante, MYRTLE, a esposa do grosseiro e pobre WILSON, o dono de uma oficina mecânica. NICK percebe que frequentemente há festas na casa do vizinho e, uma vez, ele é convidado a comparecer. Lá, finalmente, conhece o misterioso GATSBY, que esconde vários segredos: seu nome verdadeiro, a origem de sua fortuna, sua ocupação no momento... Além do principal: há oito anos, quando começou a Primeira Guerra Mundial, ele se afastou da namorada que amava e foi servir no exército. A namorada era DAISY, prima de NICK, agora casada com TOM. GATSBY se aproxima de NICK para se reaproximar de DAISY, tentar conquistá-la novamente e fazer com que abandone o marido infiel. Quando TOM descobre que o milionário está cortejando sua esposa, reage e faz de tudo para trazer DAISY de volta. Acidentalmente, a amante de TOM, MYRTLE, morre atropelada em frente à oficina do marido e tudo indica que quem a atropelou foi GATSBY. O que ninguém sabe inicialmente, é que DAISY dirigia o carro. WILSON, enfurecido invade a casa de GATSBY e o mata com vários tiros, antes de cometer suicídio. TOM e DAISY fogem e reatam o casamento. NICK termina suas férias tentando explicar o significado de uma luz verde que piscava no ancoradouro e pondo em dúvida se realmente GATSBY fora assassinado ou se não passava de mais uma lenda contada sobre ele.
                   
SOBRE O AUTOR

Paulo Bond nasceu e mora até hoje na Tijuca. É autor de 35 peças de teatro entre comédias e dramas. Em 1995, produziu, dirigiu e fez parte do elenco da peça GRÁVIDA, montada durante dois meses no Espaço Teatral José de Alencar. No mesmo ano, produziu e dirigiu o monólogo QUITINETE ZONA SUL, montado no mesmo teatro. No mês de junho do mesmo ano, houve um ciclo de leituras dramatizadas com 4 peças de sua autoria no Espaço Teatral Correia Lima: FAMOSO NEM PENSAR, GÓTHICO, MONTANHA-RUSSA e MAIS-QUE-PERFEITA. A direção ficou a cargo de Ivan Martins e Julio Rosemberg. Agora, em 2016, escreveu o monólogo ENSAIO SOBRE GATSBY. 

FICHA TÉCNICA

ENSAIO PARA GATSBY
AUTOR: Paulo Bond Simões
DIREÇÃO: Paulo Bond Simões
ATOR: Paulo Bond Simões
PRODUÇÃO: Igor Silva
CENÁRIO: Igor Silva e Paulo Bond Simões
TRILHA SONORA: Igor Silva
ASSESSORIA DE IMPRENSA: Maria Fernanda Gurgel (tels: 2549-5372 / cel: 99999-9263)

SERVIÇO 

TEATRO: Centro Cultural Dejair Cardoso – Rua Augusto Severo, 176 – Glória.
tel: (21) 99923-0692
Capacidade do teatro: 60 lugares
Censura: 12 anos.
Todas as sextas e sábados de outubro, às 20 horas.
Duração do espetáculo: 75 minutos.
Preço: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)




Viúva Capeto


No dia 09 de setembro, às 20:30 h, estreou no Espaço  Cultural Correia Lima a peça “Viúva Capeto”. Escrita por Maria da Graça Correia Lima e dirigida por Angela Rechia, com um elenco talentoso de quase dezenove atores, a peça aborda o cárcere, julgamento e morte da rainha Maria Antonieta na guilhotina. Medo e indignação marcaram os dois últimos meses da vida de quem, sem ninguém que pudesse ajudar, foi morta num país conturbado por conspirações, traições e maquinações políticas. Também é importante frisar a presença constante da tragédia na vida da rainha, seja por ocasião das núpcias, do falecimento de dois filhos e do abominável fim. No espetáculo temos duas Marias Antonietas. Uma que faz a rainha jovem, cenas de flasback, que é a Sabrine Wolfart e a Maria Antonieta já rainha, no cárcere, que é vivida por Tatiane Zucato.
O texto origina-se de uma pesquisa cuidadosa realizada pela autora Maria das Graças Correia Lima, que se debruçou no tema para apurar e depurar informações voltadas para os bastidores da prisão da Conciergerie. 
O cenário é pontuado por jogo de luzes e sombras criado por Gabriel Borelli.
“Falar de Maria Antonieta não é fácil, considerando que foi preciso dez anos para avaliar os fatos, copilando informações, lendo sua biografia em vários livros que abordam o tema, finalizando em um compendio que resultou na peça Viúva Capeto”, diz a autora Maria da Graça Correia Lima.
Uma curiosidade que merece registro, a autora em viagem a França esteve no aposento da rainha e ficou impressionada com a beleza e suntuosidade da alcova de Maria Antonieta. Foi naquele momento sublime e inesquecível no palácio de Versalhes que nasceu o interesse de escrever a peça.

ELENCO: 
TATIANE ZUCATO – Maria Antonieta (presa)
SABRINE WOLFART – Maria Antonieta (jovem)
ALEXANDRE VOLLÚ – Robespierre 
JANO MOSKORZ – Hermann (juiz revolucionário)
ILONA WIRTH (carcereira – compositora de uma música do povo)
MARCELO ANDREATA (promotor)
MARCO FITARONI (advogado de defesa e pinto)
MICHELLE GUIMARÃES (princesa de Lamballe e Maria Isabel irmã de Luiz VI)
FRANCINE FLACH (princesa Polinac e povo)
LEANDRO MELO (jornalista - Hebert)
PABLO PÊGAS (imperador, povo e soldado)
DANIEL MASSÉ (povo, conspirador e advogado)
MARCIO MEIRELLES (carcereiro)
CRIS VIEIRA (povo)

FICHA TÉCNICA
AUTORA: MARIA DA GRAÇA CORREIA LIMA
DIREÇÃO: Angela Rechia
Assistente de direção: Daidrê Thomas
Preparação corporal: Ilona Santos Wirth
Artista plástico: Danilo Peres
Produção executiva: Wagner Uchoa
Fotógrafo: Andrade Sucesso
Sonoplastia: Jorge Ardia 
Iluminação: Gabriel Borelli 
Diretor musical: Christian Bizzotto
ASSESSORIA DE IMPRENSA: Maria Fernanda Gurgel

SERVIÇO 
Espaço Cultural Correia Lima- Rua Bento Lisboa 58 – 1º andar - Catete
Tel: 2558-1550
Ingresso inteira: R$ 30,00
Convite amigo: R$ 15,00
Classificação: 16 anos
Lotação limitada: 50 lugares
Temporada de setembro: sextas e sábados do dia 09 ao dia 30 de setembro às 20:30 h
Venda antecipada no Espaço Cultural Correia Lima: horário 17 h às 18 h.
Tel: 2558-1550 
 





quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Nem Sempre É o que lhe Parece

O ator Silvio Fróes completa 50 anos de carreira com esta peça de sua autoria e convidou a atriz Selma Lopes 
que faz 70 anos de carreira para dividir o palco com ele.

Estreia dia 12 de Agosto a comédia “Nem Sempre É o que lhe Parece”, texto inédito de Sílvio Fróes, que também atua no espetáculo. A peça ficará em cartaz durante dois meses, até o dia 02 de outubro, no Centro Cultural Dejair Cardoso, na Glória. Silvio Fróes escreveu esta comédia para comemorar seus cinquenta anos de carreia e convidou a atriz Selma Lopes, que está comemorando setenta anos de carreia com este espetáculo, para dividir o palco com ele. 

A peça conta a história de Durvalzinho, um jovem do interior que vem tentar a vida na cidade grande e recebe ajuda de um coroa gay solitário e uma senhora viúva que adora homens mais jovens. No elenco estão Selma Lopes, Sílvio Fróes e Último de Carvalho. O espetáculo tem direção de Marilene Calheiros, convidada pelo autor Sílvio Fróes, e que pela primeira vez dirige atores com um vasto currículo no teatro como Selma Lopes e o próprio autor.

SINOPSE:
“Nem Sempre É o que lhe Parece” é uma comédia de autoria de Sílvio Fróes, que atua no espetáculo. A peça se passa em dois ambientes e conta a história de Durvalzinho, um jovem inocente do interior que vem tentar a sorte na cidade grande. Ele é recebido na cidade por Hermógenes, o Gegê, primo distante de seu pai, que lhe arranja um lugar para ficar. Gegê é um coroa solitário, de classe média e que esconde de todos sua real orientação sexual. Ao chegar, o jovem também recebe a ajuda de Clotilde, viúva do irmão de Gegê. Clô, como é chamada, é uma senhora com boas condições financeiras, antenada no mundo atual e que não esconde seu apreço por homens mais jovens. A peça tem como mote principal a busca de Durvalzinho para se integrar no ambiente e sua interação com Gegê e Clô, que se mostram mais interessados nele do que o normal. Para contar essa história, além do cenário em dois ambientes, a peça também contará com gravações externas em telão, que serão apresentadas ao público durante o espetáculo.
ELENCO:
Selma Lopes como Clotilde, a Clô. A atriz, que comemora 70 anos de carreira, fez inúmeras peças no teatro, das quais se destacam “Gota d’Água” de Chico Buarque e Paulo Pontes, com Bibi Ferreira no papel principal; “Por Falta de Roupa Nova, Passei o Ferro na Velha”, estrelada por Henriqueta Brieba e com a qual viajou o país por mais de dez anos; “Cafona Sim, E Daí?”, “O Peru”, “Vestido de Noiva”, “As Filhas da Mãe” e “Roque Santeiro” na qual foi dirigida por Bibi Ferreira. Apareceu nas novelas “Dancin’ Days” de Gilberto Braga, “Uma Rosa com Amor”, “Bang Bang”, “Cama de Gato” e programas humorísticos como “Zorra Total”, “Os Trapalhões” e “A Diarista”.  Além disso, se destaca também como uma das mais importantes dubladoras do país, sendo a voz da Marge Simpson no desenho “Os Simpsons” e da atriz Whoopi Goldberg, em filmes como “Ghost – Do Outro Lado da Vida”, entre outros trabalhos. Hoje, Selma atua como professora nos cursos de preparação para dubladores oferecidos pela Oficina de Atores e Som de Vera Cruz, além de continuar seu trabalho como dubladora da Marge Simpson.

Sílvio Fróes como Hermógenes, o Gegê. O ator e autor, comemora 50 anos de carreira, atuando em uma de suas obras e dividindo novamente o palco com Selma Lopes, com quem já encenou a peça “As Filhas da Mãe”. Atuou na peça “Hair”, dirigida por Antonio Abujamra e em vários espetáculos da companhia teatral de Luiz Mendonça como “As Incenlenças”, “Viva o Cordão Encarnado”, “Canção de Fogo”, “O Bom Burguês”, “Rio de Cabo a Rabo” e “A Chegada de Lampião ao Inferno”, neste último, dividindo o palco com o famoso Madame Satã. Na TV Globo, participou das novelas “Dancin’ Days” e “Duas Vidas”. Sílvio Fróes continua na ativa, hoje como professor e coordenador do curso de teatro para iniciantes da Oficina de Atores, além de dirigir e produzir todas as produções realizadas pelos alunos da Oficina.
Último de Carvalho como Durvalzinho. Último trabalha com teatro desde 1998 e já atuou em mais de quarenta peças pelo Brasil, dentre as quais podemos destacar “A Árvore dos Mamulengos” em 2009, com direção de Simone Kalil, e que lhe rendeu o prêmio de melhor ator no Festival de Teatro de Patos de Minas; “Antígona” em 2011, que lhe rendeu o destaque de ator no Festival de Teatro do CCBB e “Dois Perdidos numa Noite Suja”, em 2012, com direção de Gabriel Gracindo; além de diversos trabalhos que fez com a companhia de teatro popular “Teatro de Roda” de Mariozinho Teles, de 2010 a 2014, como “Romeu e Julieta”, “o Belo Rei” e “Samba Lelê”, entre outros. Além de ator, Último trabalha como dublador e hoje, é assistente nos cursos de preparação de dubladores ministrados por Selma Lopes.

DIREÇÃO:

Marilene Calheiros dirige o espetáculo. Marilene, que é atriz e diretora, participou de vários espetáculos com o grupo GRITE/CORPO VIVO como “Atchung” de Ademar Nunes, “O Encoberto” de Natália Correa, “A Dama de Copas e o Rei de Cuba” de Timochenco Wehbi, “A Viagem do Barquinho” de Sylvia Orthof e criações do próprio grupo como “Medidas Desiguais” e “Em Busca do Tesouro”, este último sendo indicado ao prêmio Mambembe de ‘Autor Nacional de Teatro Infantil’. Ela dirigiu peças do Grupo de Teatro Tupeniquim como “Veríssimas”, “Adão e Eva entre o Inferno e o Paraíso” e “A Resistência”. Após o convite do autor Sílvio Fróes, Marilene dirigirá pela primeira vez em sua carreira, atores com um vasto currículo no teatro como Selma Lopes e o próprio autor.

FICHA TÉCNICA:
Texto: Sílvio Fróes
Direção: Marilene Calheiros
Luz e Som: Humberto 
Cenário e Figurino: Sílvio Fróes e Marilene Calheiros
Fotos: Lucas Andrade e Consuelo Gonzalez
Produção: Daniele Gomes 
Assessoria de Imprensa: Maria Fernanda Gurgel


SERVIÇO: “NEM SEMPRE É O QUE LHE PARECE”
TEXTO: Sílvio Fróes
DIREÇÃO: Marilene Calheiros
PRODUÇÃO: Daniele Gomes 
A peça ficará em cartaz do dia 12 de agosto de 2016 até 02 de outubro de 2016.
Todas as sextas e sábados às 20h e domingos às 19h
Ingressos: Inteira - R$ 60,00 - Meia: R$ 30,00
Local: Centro Cultural Dejair Cardoso
Avenida Augusto Severo, 176 – Glória
Telefone para reservas: (21) 98739-8547
Duração da peça: 75 minutos
Capacidade do teatro: 70 lugares
Classificação etária: 14 anos

Em Nome do Filho - Terceira Temporada

 “Em nome do filho”, um texto inédito de Dolores DelRio vai para a sua terceira temporada este ano com casas lotadas. O espetáculo estreou dia 08 de janeiro, no Centro Cultural Dejair Cardoso, na Glória, ficando dois meses em cartaz. No dia 14 de maio reestreou no espaço Cultural Correia lima, no Catete, até 18 de junho, e agora, vai para Copacabana, no dia 22 de julho, até final de agosto, no teatro Princesa Isabel. em Copacabana. 
O elenco é todo masculino, e conta com oito atores / dançarinos. Nessa nova temporada, o ator Jeferson Kim que participou recentemente da novela “A regra do Jogo”, está no elenco. Quem assina a direção é o ator e diretor Marco Miranda, que tem um vasto currículo nos palcos brasileiros e na TV Globo e já ganhou vários prêmios. “Em Nome do Filho” é uma peça que retrata o cotidiano de uma sauna gay decadente. É uma comédia de erros, encontros e desencontros, onde Liuba, o dono da sauna, reencontra seu filho depois de anos, como garoto de programa. O espetáculo também apresenta performances musicais, cômicas e sensuais.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Em Nome do Filho - Segunda Temporada



“Em nome do filho”, um texto inédito de Dolores DelRio que estreou no dia 08 de janeiro, no centro Cultural Dejair Cardoso, ficando em cartaz  até o dia 19 de março de 2016, vai reestrear a partir do dia 14 de maio, no Espaço Cultural Correia Lima, no Catete. O elenco é todo masculino, e conta com oito atores / dançarinos. Nessa nova temporada, o ator Jeferson Kim que participou recentemente da novela “A regra do Jogo”, está no elenco. Quem assina a direção é o ator e diretor Marco Miranda, que tem um vasto currículo nos palcos brasileiros e na TV Globo e já ganhou vários prêmios. “Em Nome do Filho” é uma peça que retrata o cotidiano de uma sauna gay decadente. É uma comédia de erros, encontros e desencontros, onde Liuba, o dono da sauna, reencontra seu filho depois de anos, como garoto de programa. O espetáculo também apresenta  performances musicais, cômicas e sensuais.

SINOPSE

"Em Nome do Filho" é uma comédia dramática de autoria de Dolores DelRio. A peça se passa em um dia numa sauna gay, a “Brasil Dourado”,onde é mostrada a realidade  de uma sauna. A peça foca por que os meninos de programa foram parar lá. O que cada cliente quer, como se comportam e o que buscam na sauna. Números musicais são apresentados entremeados com shows de dança. Liuba, o dono, sofre com a perda de seu filho, que foi afastado de seu convívio desde criança. Liuba tem um romance complicado com Roby, um ex-garoto de programa. Odetinha, empregado da sauna é aliado de Liuba e o único que sabe de seu passado. Na trama são apresentados ao público, tipos característicos de gays que frequentam as saunas: o debochado, o poderoso, o prático, o casado e o carente. Eles interagem nas cenas cômicas com os garotos de programa, belos rapazes da sauna. O foco central da trama é a procura de Liuba pelo seu filho Junio, que através de uma carta é informado de quem é ele e por uma coincidência perversa do destino está trabalhando na sauna. Liuba se aproxima e conquista a confiança de Junio para retirá-lo de lá. Então Liuba rompe com Roby, que por não saber do fato, se desespera. Num encontro emocionado eles se entendem e os três terminam juntos, revelando uma grande história de amor.



ELENCO:

DOLORES DELRIO
JEFERSON KIM
YAGO CUSTODIO 
LUIZ XAXU 
GUSTAVO AZARANYS 
ANGELO ANTONIO
BRUNO ISLAM 
ANDERSON LOPES

FICHA TÉCNICA:

AUTOR: DOLORES DELRIO 
DIREÇÃO: MARCO MIRANDA
LUZ: ALINE SAMPIN
TRILHA SONORA: GUILHERME OLIVEIRA
CENÁRIO E FIGURINO: AUGUSTO PESSOA
FOTOS DE MARCELLO  OLIVEIRA
ASSISTENTE DE DIREÇÃO: ALINE SAMPIM
PREPARAÇÃO CORPORAL: CIDA MONTEIRO
PRODUÇÃO: DOLORES DEL RIO E MARIA FERNANDA GURGEL
ASSESSORIA DE IMPRENSA: MARIA FERNANDA GURGEL
SERVIÇO:

“EM NOME DO FILHO”
TEXTO: Dolores DelRio
DIREÇÃO: Marco Miranda
PRODUÇÃO: Dolores DelRio e Maria Fernanda Gurgel

Reestreia: dia 14 de maio, até 18 de junho (Exceto dia 21 de maio que não haverá espetáculo.)
Às 20:00 h. Serviço  de bar a partir das 19:15 h. 
Ingressos: R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia e a partir de 60 anos)

Local: Espaço Cultural Correia Lima.
Rua: Bento Lisboa 58 - Catete.
Telefone para reservas: (21) 2558-1550 ou 98931-8271.
Duração da peça: 75 min.
Capacidade do teatro: 65 lugares

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Maria Fernanda Gurgel 
Tel: (21) 2549-5372 - cel: (21) 99999-9263 – mfgurgel@uol.com.br

UMA REALIZAÇÃO: DOLORES DELRIO

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Em Nome do Filho

SERVIÇO:
“EM NOME DO FILHO”
TEXTO: Dolores DelRio
DIREÇÃO: Marco Miranda
PRODUÇÃO: Dolores DelRio e Maria Fernanda Gurgel

De 08 de janeiro de 2016 até 27 de fevereiro
Todas às Sextas às 21:30 h e sábados às 20:30 h
Ingresso: R$ 60,00 e meia entrada R$ 30,00

Local: Centro Cultural Dejair Cardoso
Av. Augusto Severo, 176 – Glória
Telefone para reservas: (21) 99404-6272 e (21)99606-4408
Duração da peça: 80 min.
Capacidade do teatro: 70 lugares

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Maria Fernanda Gurgel 
Tel: (21) 2549-5372 - cel: (21) 99999-9263 – mfgurgel@uol.com.br

UMA REALIZAÇÃO: DOLORES DELRIO

 

Entrevista com Marco Miranda e Guilherme Oliveira / Dolores DelRio
PROGRAMA SHOW DE ENTRETENIMENTO
Apresentação: Fernando Reski e Cesar Guerreiro
RÁDIO N. SRA. DE COPACABANA – 98,7 FM
18 de janeiro de 2016

domingo, 4 de outubro de 2015

Estreia da Peça "As Esquecidas do Agreste"

Assessoria de Imprensa: Maria Fernanda Gurgel

CIA CARALAVADA E CIA FAZARTE Apresentam:
AS ESQUECIDAS DO AGRESTE


Trata-se da história de três irmãs encalhadas, que fazem qualquer coisa para “fisgar um marido”. Tudo acontece em uma pequena cidade fictícia do interior do Nordeste (a autora optou por não definir o estado) brasileiro, conhecida como Never More do Norte, onde haverá uma quermesse de Santo Antônio, organizada anualmente pelo sacristão efeminado.

Na véspera da festa do santo aparecem dois homens foragidos de um assalto no Rio de Janeiro, que acabam indo parar na cidade. As três irmãs são seduzidas pelos bandidos, mas sem nada dizer uma à outra, pois são rivais. Eles, malandramente, percebem que elas estão desesperadas para casar e resolvem tirar proveito da situação, arrancando-lhes as economias da vida toda, com muita sedução e promessas de casamento, que são quebradas no altar, com as três no mesmo dia.

Quando as irmãs descobrem que foram enganadas, resolvem se unir para se vingar. Partem então para o Rio de Janeiro, onde encontram Zetó, o sacristão, que também havia sido enganado pelos malandros. As irmãs, sem muito sucesso com os homens, acabam seguindo seus destinos: Rosicleide, a mais velha, vira uma vidente cigana trambiqueira, Josicleide, a irmã do meio descobre que a felicidade que tanto procurava não estava no colo de um homem e sim de outra mulher; e a caçula Maricleide, que sempre se julgou pura e digna de um bom casamento, se realiza como garota de programa.

Uma despretensiosa comédia musical, com trilha sonora composta especialmente para o espetáculo, que tem por objetivo divertir e incentivar o público a buscar “sua verdade interior” para encontrar a felicidade pessoal.

 FICHA TÉCNICA
Texto: Rayssa de Castro
Direção Geral: Jorge Will Gama
Produção: Alexandre Araujo 
Fotos: Kadu Rangel 
Assessoria de Imprensa: Maria Fernanda Gurgel- tel: 2549-5372 e 999-999-263
Figurino: Ivone Zimmer
Trilha Sonora ao vivo: Henrique Ornellas

ELENCO: Alexandre Maguolo, Ana Karina Zimmer, Manoel Alonso, Mauro Junior, Mônica Ramalho e Rayssa de Castro.

INFORMAÇÕES

Sábados às 21 h 
Ingressos: Inteira R$ 40,00 e meia R$ 20,00
Datas: 3,10,17, 24 e 31 de outubro de 2015
Duração: 80 m
Censura: 14 anos
Capacidade do teatro: 280 lugares
Teatro Princesa Isabel  
Av Princesa Isabel, 186 – Copacabana – Rio de Janeiro – RJ


Maria Fernanda Gurgel
Assessoria de Imprensa - Produtora de TV e Dramaturga

Com Fernando Reski. Estreia da peça "As Esquecidas do Agreste".





Estreia da peça "As Esquecidas do Agreste", de Rayssa De Castro Lima. 
Com Guilherme Oliveira, Dejair Cardoso, Marisa Araujo e Rayssa de Castro.

terça-feira, 8 de julho de 2014

VERSÃO INTERNACIONAL DO BIBLIVRE 4.0

No dia 07 de julho de 2014, estará no ar a mais nova versão internacional do Biblivre IV, servidor Marc 21 Z 39.50 e demais características do programa. Sob a coordenação de Ubaldo Miranda, o software será disponibilizado no site www.biblivre.org.br que já contém informações técnicas e de contato.

Lançado também em português, inglês e espanhol para que bibliotecas do mundo inteiro possam utilizá-lo, como fizeram com o Biblivre 3.0, esta é a quarta versão do programa. É um software livre, ou seja, totalmente gratuito, capaz de proporcionar a informatização de bibliotecas dos mais variados portes, propiciando a comunicação entre redes eletrônicas com o uso de recursos das tecnologias das redes existentes nas bibliotecas mais modernas do mundo, e facilitando a vida dos bibliotecários e a inclusão digital do público usuário.

Este novo software possui, entre as novidades, um módulo digital que disponibiliza a leitura e a impressão de livros de domínio público. No módulo, estão catalogados milhares de obras sobre diversos assuntos. A nova versão conta com uma capacidade de armazenamento muito maior que a versão anterior. O Bibilivre 4.0 possui multibibliotecas, que é a possibilidade de gerenciar várias bibliotecas ao mesmo tempo. Isso não acontecia na versão passada.

Serão distribuídos mil CDs com manual para a instalação do software entre as bibliotecas públicas do Rio de Janeiro e do Brasil. O software é desenvolvido pela SABIN (Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional) e conta com o apoio do MinC, Organização Pedro I, ORDEC e FBN, com patrocínio exclusivo do Itaú Cultural. 

O que caracteriza o Biblivre 4.0, além da internalização, são as melhorias, as novas funcionalidades que foram implantadas nesta versão. “Se uma pessoa quiser acessar, através do Biblivre, uma outra biblioteca que disponibilize seu catálogo, terá o acesso mais facilitado. Com este novo programa, o usuário pode acessar várias bibliotecas do mundo, simultaneamente”, afirma Ubaldo Miranda, coordenador do projeto.

Com o Biblivre, o usuário também pode disponibilizar obras digitais. Para isso, a biblioteca precisa ter a autorização do autor ou a obra ser de domínio público. Por exemplo, um escritor do interior do Brasil, que tenha dificuldade de acesso à mídia e/ou não possa financiar seu próprio livro, pode divulgar sua obra, disponibilizando-a na biblioteca de sua cidade através do programa. O Biblivre é, na visão de Miranda, uma forma de difundir cultura e promover a inclusão social.

O software alcançou tamanha dimensão que serviu de trabalho de monografia da aluna Monique Araújo Santos, do curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação da UFRJ. Além disso, foi questão de provas no concurso público de bibliotecárias da Fundação Osvaldo Cruz.

Também chamado de Biblioteca Livre, o software está sendo utilizado nas bibliotecas públicas e privadas de todo o Brasil e em algumas no exterior como as que foram cadastradas nos Estados Unidos, Portugal, Holanda, Albânia, Angola, Moçambique entre outros. 

Nesta versão 4.0 o usuário pode reservar à distância seu livro em alguma biblioteca sem nenhum problema.

O Biblivre desde a sua versão inicial, tem enfocado as rotinas e sub-rotinas das bibliotecas, tais como: a busca; o acesso e a circulação do acervo; a catalogação de material bibliográfico, de multimídias e objetos digitais, inclusive com importação de registros de catalogação gerados em outras bibliotecas; o controle de autoridades e de vocabulário; além de rotinas do processo de aquisição de novos itens para o acervo.

O software possui linguagem Java e compatibilidade com protocolo Z39.50 e é executado em ambiente Web 2.0, o que o torna mais dinâmico para o usuário, com buscas mais rápidas.
AS NOVIDADES DA VERSÃO 4.0 SÃO AS SEGUINTES

Um código completamente novo; 
Software mais estável e mais rápido;
Novo módulo de reserva; 
Nova funcionalidade multibibliotecas; 
Nova funcionalidade de relatórios; 
Novo servidor Z39,50, mais estável e mais rápido; 
Novo layout.

OUTROS MÓDULOS E FUNÇÕES JÁ EXISTENTES NO SISTEMA


Módulo para publicação de obras digitais — Foram acrescentadas funcionalidades para incluir obras digitais durante a catalogação e funcionalidades para acessar obras digitais no módulo de pesquisa.
Módulo para manter bases de autoridades e editoras — Foi criado um novo módulo para catalogar autoridades (autores) e editoras e incluída a funcionalidade de pesquisar esta base no módulo de pesquisa.
Módulo para manter as bases de Assuntos/Tesauro — Foi criado um novo módulo para manipular uma base de palavras-chave, conhecida também como vocabulário controlado ou tesauro. O projeto deste módulo, chamado de Tesauro, baseia-se no padrão ANSI/NISO Z39.19-2005, um padrão internacional para este tipo de funcionalidade.
Uso de várias bases na pesquisa no acervo (simples, avançada, distribuída) — Seguindo a experiência da comunidade de biblioteconomia, a base bibliográfica do Biblivre passou a ser indexada por tipo de material, o que fornece ao utilizador uma visão de várias bases isoladas, que também podem ser combinadas para a realização de uma pesquisa.
Formulários especializados para outros materiais — Complementando a divisão da base bibliográfica em tipos de materiais, foram desenvolvidos formulários para permitir a catalogação e a pesquisa de livros, panfletos, teses, periódicos, além de material iconográfico, audiovisual, música, partituras, cartografia, manuscritos e objetos 3D.
Acesso simultâneo a vários servidores Z39.50 — Foi acrescentada a possibilidade de realizar pesquisa simultânea a vários servidores Z39.50, permitindo o estabelecimento de uma forma de federação entre várias bibliotecas dotadas deste serviço, como é o caso do próprio Biblivre e de outros projetos internacionais, como o TEL – The European Library (http://www.theeuropeanlibrary.org).
Novo serviço para acesso às bases bibliográficas do Biblivre, através do protocolo SOAP, seguindo os padrões conhecidos como WebServices (http://www.w3.org/2002/ws/Activity) — A finalidade deste serviço é permitir que terceiros desenvolvam clientes para acessar as bases do Biblivre a partir de seus próprios sistemas e programas, como por exemplo, sites em PHP e programas escritos em Visual Basic ou em Delphi.

Em 2006, atendendo a excelente recepção dada ao sistema Biblivre e considerando a realimentação dada por seus usuários, foi proposto um novo projeto ao PRONAC, que visava acrescentar novos recursos ao Biblivre e produzir a versão 2.0. No final de 2006, o projeto Biblivre II, passou a contar com o apoio oficial da Fundação Biblioteca Nacional e com o patrocínio integral da Fundação Itaú Cultural.